O que é e como prevenir a raiva? - Pet feliz não passa raiva!


Agosto pode ser popularmente conhecido como o mês no combate ao “cachorro louco”, mas será que você está por dentro de todos sintomas e perigos que rondam a raiva animal - uma das zoonoses mais conhecidas e temidas pelos apaixonados por cães e gatos?


 

Conhecido por atingir os mamíferos em geral (incluindo felinos, cães e lobos, ruminantes e marsupiais, morcegos e até seres humanos), o vírus do gênero Lyssavirus que manifesta a doença é agressivo, evolui rapidamente no organismo e possui uma taxa de mortalidade assustadora que beira os 100% dos pacientes infectados - afinal ela não tem cura! Geralmente associada aos cães, principalmente devido aos surtos de contágio que aconteciam com frequência até os meados de 2003, a raiva é transmitida por contato transcutâneo, por mordida ou arranhão de animais infectados, proliferando o vírus e causando também a raiva humana, conhecida como hidrofobia. O período de incubação varia em cada espécie, geralmente entre 2 a 5 dias em animais domésticos como cães e gatos, e cerca de 45 dias em seres humanos, dependendo da idade e da extensão do contato com os fluidos infectados. 

 

Quais são os sintomas da raiva?

É comum evocar a imagem de um cão babando ao falar da raiva, mas a verdade é que os sintomas inespecíficos da infecção podem começar muito antes deste estágio. Quando infectado, o animal apresenta os sintomas típicos da Raiva Furiosa (mais comum em animais carnívoros) ou da Raiva Paralítica ou Muda (mais comum entre animais herbívoros, como cavalos) - é possível também que o seu animal manifeste a Raiva Intestinal, um tipo mais raro e ainda mais agressivo da doença.

 

  • Raiva Furiosa: o animal apresenta excitação e agressividade, podendo desenvolver ansiedade e depressão, além de demonstrar medo extremo e demência;
  • Raiva Muda: os sintomas neurológicos se agravam, e o animal começa a apresentar dificuldade de engolir, excesso de salivação, falta de coordenação motora e paralisia;
  • Raiva Intestinal: o tipo mais raro da raiva, que não manifesta nenhum sintoma além de vômitos e cólicas até o óbito.

 

Já nos seres humanos infectados pelo vírus, é comum manifestar de início os conhecidos sintomas de uma infecção mais simples: mal-estar geral, dor de garganta e cefaleias, febres e desconforto gastrointestinal - conforme a evolução da doença, a febre aumenta exponencialmente, e o infectado apresenta ansiedade e hiperexcitabilidade, confusão mental, agressividade, alucinações, convulsões e espasmos musculares, excesso de saliva, dificuldade em engolir e respirar, além da conhecida hidrofobia (aversão a água), e fotofobia (aversão à claridade), evoluindo, sem expulsão do vírus, para coma e morte por parada respiratória. 

 

 

A raiva tem cura?

Causada por um vírus tão destrutivo e que com capacidade de evolução assustadoramente rápida dentro do organismo infectado (embora sobreviva pouco tempo fora de um hospedeiro), a raiva é uma doença considerada fatal em quase 100% dos casos, incluindo humanos. Para animais, sem exclusão, a chance de cura é nula - inclusive, o material do diagnóstico final que conclui a infecção pelo Lyssavirus só pode ser obtido após o óbito do animal infectado, originado de células do cérebro do mesmo. Em humanos o tratamento de profilaxia antirrábica  tem altas chances de surtir resultados, desde que iniciado imediatamente ou o quanto antes a exposição ao vírus, sendo seguido à risca pelo tempo indicado: ao ser mordido ou arranhado por um animal suspeito de estar infectado com o vírus, é imprescindível correr ao atendimento de emergência e começar o tratamento o quanto antes para aumentar as chances de sobrevivência - afinal, nem todos os organismos conseguem reagir ao tratamento a tempo. É importante lembrar que todo e qualquer caso suspeito de raiva humana é alvo de notificação individual, compulsória e imediata aos serviços de saúde e setores competentes de esferas municipal, estadual e federal. 

 

Não tem cura? Então como combater?

Não tem jeito: a única saída contra a raiva é a prevenção: e tanto pets domésticos quanto animais rurais contam com uma vacina super eficaz que mantém o bicho protegido por um ano inteiro! Cães e gatos devem ser imunizados a partir do quarto mês de vida, com reforço anual - e apesar das importantíssimas campanhas gratuitas de conscientização e vacinação, o ideal mesmo é imunizar o seu pet sob orientação do médico veterinário da sua confiança, excetuando riscos de complicações como a possível contaminação do seu pet por qualquer outra doença em meio a um mutirão de outros animaizinhos. Não se descuide: a raiva é uma doença perigosíssima para o seu pet e para você, é fatal e é mais uma razão para você manter a carteirinha de vacinação do seu melhor amigo peludo sempre em dia! Para incentivar e facilitar ainda mais a conscientização da imunização do seu peludo, o Império dos Animais preparou uma promoção especial: 25% de desconto nas antirrábicas ou a vacina gratuita para pets que atualizarem o restante do calendário de vacinas durante todo o mês de Agosto! A raiva é uma doença muito séria: não deixe a saúde do seu pet em segundo lugar, afinal ele só pode contar com você para ser saudável e feliz! 

 

 

Envie este artigo para todos os donos de peludos que você conhece e ajude a conscientizar e salvar todos os pets que puder: e se o seu pet precisar de um checagem, ou da vacinação, ou mesmo de um agradinho do petshop, nós esperamos vocês aqui no Império dos Animais!